Sector Espichel

Sector Espichel

Mergulhando à Norte!

Baleeira |Um porto repleto de vida|Profundidade: 11-18 metros | Nivel 1 facil

É um mergulho junto à costa, de baixa dificuldade e acessível a todos os níveis. O relevo é variado, com pedras, paredes e zonas com concavidades e pequenas fendas. Destacam-se varias especies de nudibrânquios (lesmas-do-mas) e de peixes como os ruivos, que apresentam cores chamativas e fazem as delicias dos mergulhadores e fotógrafos. Por vezes, também se pode ter a sorte de avistar um cardume de corvinas.

O fundo é inicialmente rochoso, mas começa a assorear até ficar completamente arenoso aos 13 metros de profundidade. Durante os meses de verão podem observar-se algas castanhas como as cistoseiras e os golfos (laminarias). Estes últimos podem formar verdadeiras florestas, onde se refugiam peixes e moluscos, como chocos e os polvos.

Paredes do Cabo | Um mergulho para contemplar | Profundidade: 11-20 metros | Nivel 1 facil

Localizadas muito próximo do  Cabo Espichel, estas paredes erodidas e esculpidas pela força do mar, com muitas reentrâncias e fendas, concentram vida marinha, proporcionando um mergulho para explorar e contemplar os mais pequenos detalhes. Estão forradas de esponjas e anêmonas, como as anêmonas-joia, e servem de refugio a uma grande variedade de peixes, crustáceos e moluscos. O mergulho neste local tem ainda um aliciante histórico – a força do mar aproximou da linha de costa alguns destroços do naufrágio River Gurara, que atraem cardumes de varias especies. Junto à parede com fendas e pequenas covas podem encontrar-se muitos nudibrânquios, estrelas do mar, garoupa, peixes-porco, rascassos e muitas outras especies. Em redor dos destroços vivem cardumes de sargos, sargos-veados, douradas, pargos e fanecas.

River Gurara | Renascer dos destroços | Profundidade: Proa (26-33 metros), Popa (20-25 metros) | Nivel 2 avançado

O River Gurara, um cargueiro nigeriano de 175 metros, foi vencido pela fúria do mar e naufragou no inverno de 1989 junto ao Cabo de Espichel, dividindo-se em duas partes. Atualmente é um dos locais de mergulho mais procurados do pais para a observação da vida marinha, que se concentra em seu redor e nos seus destroços, bem como para formação técnica de mergulho em naufrágio. O verão é a melhor altura para visita-lo, pois no inverno as condições nem sempre o permitem. Os mergulhos podem ser realizados na proa ou na popa do cargueiro. Na proa, o casco encontra-se assente de lado. Na popa observa-se o leme, a hélice e parte do casco invertido no fundo, assim como outras estruturas. São mergulhos a não perder e para repetir sempre que há oportunidade. Em redor dos seus destroços vivem cardumes de sargos, sargos-veados, douradas, pargos e fanecas. Polvos safios, lagostas e santolas abrigam-se nos seus esconderijos, como as tubagens, onde também encontramos coloridas anémonas. Na hélice e ao longo do casco há gorgônias, que filtram a água em busca de alimento.